2.1.11

Presidente ou presidenta?

Os leitores deste blog vão achar que é implicância minha. Depois que os petistas passaram a falar o petês, a deturpação da língua portuguesa é visível (ou audível).
Começou com o tal "a nível de" - que virou refrão e marca registrada dos petralhas.
Aí o Lula inventou a palavra "menas" (menas pobreza, menas miséria).
Nem vou comentar a série de neologismos burros que surgiram no palavreado dos petistas e que somos obrigados a engulir diariamente.
Mas agora, já é demais: estão inventando a palavra "presidenta".

Veja o que diz o dicionário Aurélio (o chamado pai dos burros):

Presidente:
1. Pessoa que preside.
2. Pessoa que dirige os trabalhos duma assembléia ou corporação deliberativa.
Refere-se a pessoa, é neutra, isto é, não especifica o gênero masculino ou feminino.
Da mesma forma, permanecem neutras as palavras:
agente
viajante
aspirante
gerente
residente

O professor Adalberto J. Kaspary, autor de Português Para Profissionais, defende o uso da forma comum aos dois gêneros: presidente. Para ele, respaldado pela Academia das Ciências de Lisboa, a palavra presidenta tem uma carga pejorativa.
Também o professor Pasquale Cipro Neto explica que normalmente as palavras que terminam 'nte' não tem variação. O que identifica o gênero, destaca ele, é o artigo que o precede, como por exemplo, o gerente, a gerente, o pedinte, a pedinte. O sufixo é originário do latim, do particípio presente, e segue a mesma regra atualmente no português, italiano e espanhol.
Em contrapartida, para o professor Paulo Flávio Ledur, autor dos livros Português Prático e Guia Prático da Nova Ortografia, a forma presidenta é a mais adequada. Ele cita a presidente Cristina Kirchner, da Argentina, que exigiu ser chamada de "presidenta" e rejeitou documentos da Casa Rosada que continham a palavra presidente, exigindo correção e nova impressão.
Muitos estudiosos batem na tecla do dinamismo da língua portuguesa, que deve ir mudando junto com a modernidade e a inserção de novos termos - frutos das descobertas, invenções, tecnologia, ciência, etc.
Mas daí a deturpar regras estabelecidas e forjadas durante o tempo... já é demais.
Para mim, a palavra presidenta simplesmente não existe!

3 comentários:

  1. pois é meu caro, então é melhor consultar o dicionario, versões antigas, ao menos as que consultei de 1979, ou mesmo de 20006, bem antes de Dilma pensar em se candidatar ja trazem a palavra presidenta como genero feminino da pessoa que preside, ou a mulher que preside ou a mulher da pessoa que preside...
    Consulte algum "pai dos burros" e volte a se sentir mais seguro e integrado com a nossa lingua portuguesa!!

    ResponderExcluir
  2. Pois é, minha cara, parece que usamos "pais de burros" diferentes. Citei estudiosos da língua portuguesa e o Aurélio (edição recente) que, penso eu, estão absolutamente certos.
    Curiosamente, também não encontrei as definições gerenta, viajanta, residenta, aspiranta, agenta, intendenta.
    Assim como não encontrei especialisto, radiologisto, cardiologisto, pediatro, entre outras palavras.
    Minha base sólida de aprendizado do português me deixa, sim, bastante seguro e integrado com a "nossa" língua portuguesa!

    ResponderExcluir
  3. O Larrousse Cultural traz: Presidenta: subst. feminino:mulher que exerce a função de presidente.
    Presidente:subst.masc. e fem. :chefe de estado
    em muitas repúblicas.


    O Aurélio traz:Presidenta :(1) mulher que preside (qualquer coisa).(2) mulher de um presidente.
    Presidente : (1)Pessoa que preside.
    (2) O Presidente da República
    A questão dos gêneros dos substantivos não para nas normas gramaticais.Outros fatos há,particulares : o uso,fator soberano da consolidação de uma língua e das leis que a regem,consagra certas formas que tornam-se comuns e são empregadas cotidianamente na boca do povo.'Presidente' é um substantivo comum de dois gêneros,como rezam vários gramáticos citados pelo Sr. Júlio,e vários outros que consultei (Napoleão Mendes de Almeida,Domingos Paschoal Cegalla ,só para citar).Então coloca-se o artigo e/ou um adjetivo que defina o gênero.Por exemplo :'A presidente da Coca-cola...' Ou então :' Presidente interino,foi designado por...'
    'O lente em Matemática M. Alves foi agraciado com o título de...'ou :'A lente em Literatura ,da USP, recebeu o título de ...'
    O que sobressai nessa insistência ,por parte de algumas pessoas ligadas ao grupo de Dilma,é um certo gosto ao artificialismo ligado a outro tanto de autoritarismo.Como se 'Presidenta' fosse uma palavra que melhor a qualificasse,porque sendo do gênero feminino ela 'seria melhor'...Não sei,fica muito no ar.Mas eu acredito que se perde muito nessa insistência.Pessoas têm valor por causa de suas ações,suas atitudes-e não por causa de seu sexo.Por exemplo,o feminino de 'poeta' pode ser 'poetisa' e 'poeta'.Sendo que o uso de 'poeta' é muito mais honroso (e por isso mais usado),porque fica implícito que 'poeta' abrange todos os poetas e os eleva ao mesmo nível.Se lermos com cuidado,tanto o Larrousse quanto o Aurélio,captaremos certas diferenças que sutilmente nos levam a entender 'Presidente' como melhor que 'Presidenta'. Além do mais,há o uso,consagrado pela voz do povo.E o povo fala 'presidente'.Mesmo na recente campanha eleitoral em que Dilma tanto apareceu,eu não me recordo de ter ouvido alguém a ela se referir com 'candidata a presidenta da República'.Seus marqueteiros usaram outras expressões,mas de 'presidenta' eu não me recordo.Não ficaria bem (não é ?) para uma campanha que se dizia democrática.Por que há de ficar agora?

    ResponderExcluir