2.12.10

Dragão-de-Komodo come lula?

Um guarda do Parque Nacional observa de perto um exemplar do dragão de Komodo, na ilha homônima, localizada na Indonésia

O presidente Lula anda em dúvida sobre o que fazer após abandonar (contra sua vontade) a presidência da República do meu país. Quero contribuir com uma sugestão: patrocinar-lhe uma viagem (só de ida) para a Ilha de Komodo.
É lá e em outras pequenas ilhas adjacentes que vivem entre 4 e 5 mil dragões-de-Komodo, os maiores dos lagartos que existem na terra. Predador notável, não mata instantaneamente a sua presa; morde, e a infecção causada pela sua mordedura vai acabar por matar o animal, ou mesmo o humano, após alguns dias. Depois, quando cheira a carne putrefata - e o dragão consegue captar o cheiro até 7 km de distância - dirige-se ao local, para então fazer o seu banquete. Como a carne já está em adiantado estado de putrefação, os dragões arrancam pedaços com a boca e com as enormes unhas que possuem. O que normalmente acontece é que vários dragões chegam à mesma presa e ao mesmo tempo, sendo então a refeição partilhada, de forma hierárquica, estabelecida pelo tamanho corporal e força dos animais. As presas preferidas dos dragões de Komodo são os búfalos, os javalis, os cervos, os cavalos e os macacos. Talvez gostem também de lulas.
Perigo para as populações: nestas ilhas, as habitações são construídas sobre estacas, dado que desde sempre muitos habitantes morreram, em virtude dos ataques destes bichos, que por vezes invadem as aldeias. Até há poucos anos, quase todos os humanos que eram mordidos acabavam por morrer. Com a evolução dos fármacos e com assistência mais rápida, começaram a ser salvas algumas pessoas, que ficam para sempre marcadas nas zonas afetadas pela mordedura. Outro aspecto que levou a algumas mortes foi o fato de só a partir de 1910, se ter dado a devida atenção a este animal, e às consequências da sua terrível mordedura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário