10.10.10

Insistência amoral

A Folha de São Paulo publica hoje nova pesquisa eleitoral, agora para o segundo turno. E insiste em utilizar a expressão “se o 2º turno fosse hoje...”
Oras bolas, os veículos de comunicação usaram a expressão “se as eleições fossem hoje” à exaustão no primeiro turno e deu no que deu: as pesquisas para presidente estavam erradas, inclusive aquelas chamadas de boca-de-urna, colhidas no próprio dia da eleição.
As desculpas dos prepotentes representantes dos institutos de pesquisa insinuaram que “os números indicam apenas as tendências do eleitor”.
Tenho para mim que a expressão é tendenciosa, amoral, dirigida e aética.
Tentei, sem sucesso, levar o problema ao TSE. Seria necessário encaminhar um processo formal para análise dos juízes daquela corte. Nem haveria tempo para análise.
Por outro lado, os veículos de comunicação deveriam mudar de atitude a partir de já!

Nenhum comentário:

Postar um comentário