7.9.10

Empáfia feminista

Em comício na noite de segunda-feira dia 6, a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, discursou como eleita e afirmou que “a oposição, assim como teria medo que um metalúrgico desse certo na Presidência, tem medo agora que uma mulher dê certo”.
Eu pessoalmente já começo a tremer nas bases. Ninguém, em sã consciência, teme mulher alguma na direção de um país. Pessoas bem informadas (parece não ser o caso da candidata) que conhecem história, sabem de muitas mulheres na liderança dos governos de seus países: Golda Méier em Israel, Indira Gandhi na Índia, Margareth Thatcher (a Dama de Ferro) na Inglaterra, Michelle Bachelet no Chile, Ângela Merkel na Alemanha, entre outras.
O que a candidata esquerdista não quer enfrentar é a total desconfiança dos brasileiros: nós já passamos pelas nefastas experiências de Erundina da Silva, do seu partido PT, que quase arruinou São Paulo e da sua coleguinha Marta Suplicy, também do PT, que demonstrou incrível instabilidade emocional, fazendo a cidade regredir, além de legar um enorme rombo no orçamento paulistano. Cito São Paulo por ser o estado mais evoluído do Brasil que, sozinho, equivale aos mais avançados países europeus. Aliás, o que acontecerá com São Paulo caso a candidata vença estas eleições?
O medo não é das mulheres e sim da sua inexperiência, dos seus projetos comunistóides-ditatoriais, das suas mentiras, da sua sargentice, além da perigosa turma esquerdista que a candidata cheia de empáfia carrega junto consigo.

3 comentários:

  1. O problema é que a gente não tem a mínima intenção de votar em cor de pele,em riqueza ou pobreza,em sexo (feminino,masculino,GLS...)em profissão,beleza e etc.A gente quer votar em qualidades morais,intelectuais e éticas.A gente quer votar em seres humanos transparentes,bons, fortes e saudáveis-física e moralmente- em trabalhadores,que tenham palavra,que sigam a Constituição(sobre a qual juraram com a mão em cima,quando tomaram posse)que tratem o povo com amor e dedicação,que tratem o Brasil com tudo de bom que o Brasil merece.E não importa,repito, se o portador/a dessas qualidades seja homem,mulher,GLS,branco,preto,azul,verde ou amarelo,pobre,remediado,rico ou riquíssimo.O que estamos é cansados de assistir 'políticos' que usam as suas tribunas como se fossem divãs de analistas,berrando aos quatro ventos:'Ah,eu fui pobre,eu passei fome,eu não estudei,eu fui injustiçado,etc. e etc.E quem não foi,'cara pálida'? Ora,vá ao psicanalista,ouvido do povo não é pinico,nós temos nossos problemas,a maioria criados por nefastas políticas de nefastos seres humanos que ocupam/ocuparam cargos na...política! Queremos lutadores,fortes,inteligentes,agregadores,otimistas,proativos,que saibam canalizar os problemas para excelentes soluções do tipo 'ganhar-ganhar'.Queremos 'sentir a diferença',perceber que somos amados e respeitados,e não ficar ouvindo essa lenga-lenga,esse blá blá blá...Ninguém merece.

    ResponderExcluir
  2. Mto pelo contrário.. Qnd Marta Suplicy foi prefeita, inúmeras coisas boas aconteceram a nossa cidade. E como senadora ela terá a chance de lutar ainda mais pelos menos favorecidos e pela igualdade social.

    ResponderExcluir
  3. Oras, Nádia, eu também acredito no Saci Pererê, no Papai Noel, na Mula sem Cabeça. Só quem viveu em Sampa na época da Suplício sabe da sua herança. Tanto é que ela jamais voltou a ganhar eleição para prefeitura ou governo. Saiu do "emprego" com o Ibope baixo. Como senadora ela terá chances de o quê? Acho que ela está mais preocupada com suas ropas Versacce, suas bolsas Victor Hugo, seus relógios Cartier, do que com os menos favorecidos e com a igualdade social. Que, aliás, o próprio PT vem bloqueando, com ensino ruim, de 5o. Mundo. Sem escolas boas, professores bons, cursos de qualidade, jamais haverá igualdade social em nosso país.

    ResponderExcluir