25.8.10

Política bolivariana do PT em ação

Peter, meu amigo muito ligado às coisas que acontecem ao nosso redor, me liga logo cedo. Ainda estou murcho de sono, mas ele me obriga a escutá-lo. Deu-me a dica para ler as notícias que citam a polícia paranaense.
Meio a contragosto, acessei a Folha de Londrina na rede e realmente me espantei. Eis o título:
PR perdeu metade de efetivo policial em 8 anos
Segundo o jornal, na última década o efetivo da Polícia Civil do Paraná que era de quase sete mil policiais em 2003 foi sendo reduzido e atualmente soma menos que a metade. Hoje, o policial precisa se desdobrar para registrar ocorrências, vigiar carceragens superlotadas, cumprir a burocracia interna, concluir investigações e representar contra suspeitos de crimes à Justiça. Apenas em fevereiro de 2011 assumirão 500 novos policiais civis anunciados pela Secretaria de Estado de Segurança.
De acordo com a Secretaria Nacional de Segurança Pública, esta drástica redução do efetivo aconteceu na última década. Há sete anos, a Polícia Civil no Paraná tinha um efetivo de 6.704 servidores para uma população de 8.413.593 milhões (1 policial para cada 1.255 mil pessoas). Hoje, a população estimada é de 10,6 milhões para um total de pouco mais de 3,2 mil policiais civis, conforme os sindicatos (1 policial para quase 3,4 mil pessoas). O efetivo de delegados segue mesma tendência: de 357 em 2006 para os atuais 313. O Paraná tem 399 municípios. A Lei Complementar 96 definiu em 2002 que o efetivo da Polícia Civil paranaense deveria contar com, no mínimo, 6.245 policiais.
Aqui fica evidente a responsabilidade do ex-governador Roberto Requião, do PMDB, partido umbilicalmente ligado ao PT. Ele governou o Paraná de 1991 a 1995, foi senador de 1995 a 2002 e novamente governador de 2003 até este ano. Como governador, foi o maior responsável pelo desaparelhamento policial do estado. Em Curitiba, ouvi pessoas chamando Requião de "O Exterminador do Futuro". Agora eu entendi!

Fica uma pergunta no ar: a quem interessa essa desmontagem? Não seria essa uma das táticas esquerdistas do "quanto pior melhor" tão adoradas pelo PT para permitir insegurança, assaltos, roubos, sequestros, invasões, saques, badernas e desobediência civil?
A quem interessa?
Quem sabe o Peter me dará uma resposta mais concreta. Vou cobrar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário