13.8.10

Governo lança 'contestômetro' para rebater Serra

Tudo indica que não adianta o Governo inventar “contestômetros”, “rebatômetros”,
“desmentimômetros” ou seja lá o que for, para esconder o óbvio: apesar do Brasil ter tido muita sorte com a situação econômica mundial nos seis primeiros anos do Lula, o governo não aproveitou a oportunidade para corrigir incontáveis distorções e erros.
A Saúde anda mal das pernas, as filas continuam nas portas dos hospitais, exames demoram meses para serem feitos, faltam leitos, faltam medicações, faltam médicos e os despreparados burocratas não conseguiram descobrir a fórmula mais do que óbvia, lúcida e inteligente para desviar a demanda dos hospitais.
As estradas federais estão pela hora da morte. É só acompanhar o número de acidentes, feridos e mortes anuais nestas estradas geridas pelo governo federal.
A corrupção e o “descaminho” rolam soltos. A turma do “mensalão” continua firme, atuante, sem restrições nem penalidades.
As últimas denúncias apontam para os fundos de previdência privada das estatais, que são geridas por sindicalistas que nem conseguem prestar contas das fortunas que passam por suas mãos.
A censura disfarçada vai mostrando sua cara dia após dia e a imprensa (hoje mais de cinco mil veículos de comunicação recebem verbas do governo) está com as mãos e a voz atadas, deixando de apontar as verdades verdadeiras que ocorrem no país.
Pouco se sabe sobre a contabilidade das obras dos PACs – nem tampouco quais obras realmente estão sendo executadas pelo governo federal.
Da segurança pública de responsabilidade do governo federal nem é necessário falar: armas, drogas e contrabando deságuam por todas as estradas e cidades do país, varando fronteiras que não possuem vigilância nem barreiras.
Na política exterior, o governo conseguiu o supremo milagre de enfiar os pés pelas mãos: foi apoiar países errados, absolutamente fora dos conceitos e da realidade do povo brasileiro. Com isso, vem trombando de frente com os países desenvolvidos e tradicionais aliados, que são os nossos melhores parceiros comerciais e políticos.
A qualidade do nosso sistema de educação piorou assustadoramente, como indicam todos os índices: o Brasil caiu para a 102ª posição em relação aos outros 132 países. Para coroar, 60% dos brasileiros nunca abrem um livro; a média de leitura dos brasileiros é dez vezes inferior à dos Estados Unidos; e 21 milhões de pessoas continuam analfabetos.
A grande “cartada” do governo foi a criação de bolsas isso, bolsas aquilo. Entretanto, um velho (e bota velho nisso) ditado chinês já ensinava que não se deve apenas dar o peixe para a população, mas também ensinar a pescar. O que não acontece no Brasil, pois boa parte dessa gente fica paralisada, sem ações, ambições, nem trabalho, vivendo eternamente destas bolsas.
O “contestômetro” também não funciona em relação à política econômica, que segue exatamente igual à do governo anterior. Ao invés de contestar, Lula deveria agradecer esta mãozinha do FHC, que acabou com uma inflação inaceitável reinante no país.
Faltam ainda providências mais agudas para o desenvolvimento dos transportes, das ferrovias, dos portos e aeroportos, cujas estruturas estão muitos furos abaixo da qualidade encontrada na maioria dos outros países.
Invasões e “doações” de terras, arrecadação exagerada de impostos, criação de ministérios e secretarias de governo por todos os lados, apadrinhamento de “cumpanheros” e inchaço da máquina pública dão o ar de “Politbüro” dos tempos da União Soviética, com a conotação esquerdista que se contrapõe totalmente à mentalidade e aos objetivos do nosso povo.
Por fim, jamais haverá “contestômetro” capaz de esconder a verdade, os atos, a face e as pretensões malignas contidas nos planos de governo do PT.

3 comentários:

  1. Meu caro.
    Em que país voce está???
    Defender um governo que em oito anos criou 700 mil empregos, e ainda chamou os aposentados de "vagabundos" enquanto lesava seus parcos pagamentos.
    A sua doutrinação não pega nem os desavisados.
    Ponha a mão na consciencia!

    ResponderExcluir
  2. Sr. Anônimo (o anonimato é o esconderijo dos covardes):
    Meu país é aquele dos trabalhadores ordeiros (e não dos chupins petistas subvencionados pelo governo). Meu país é aquele que oferece a oportunidade de ser recompensado pelos próprios esforços (e não de ser sustentado por bolsas-isso, bolsas-aquilo, uma forma imoral de compra de votos)..
    Sim, O FHC foi infeliz quando se referiu aos aposentados com menos de 50 anos de vagabundos, frase pinçada em um contexto em que se debatia o fator previdenciário, mas em que havia consistência e argumentos em defesa das ações do governo. Porém, perto do gesto obsceno do seu guru petista Marco Aurélio “Top-Top” Garcia, mandando os mortos e seus parentes no caso do terrível acidente com o avião da TAM tomando o c..., a frase infeliz de FHC perde totalmente a força.
    O seu amado presidente Lula também demonstrou que não tem muita consideração para conosco, os aposentados. A grande massa dos que se aposentam dependem, para sobreviver, apenas do miserável salário que lhes paga o INSS e que talvez, ainda por escárnio, chamam de... “benefício”. E os aposentados que recebem mais do que o salário mínimo aguardam a recomposição das suas perdas históricas, desde 1991. Lula não tratou desta recomposição.
    Você, anônimo, deve ser fã incondicional do Ali Babá e dos 40 ladrões do mensalão; da turma do dinheiro na cueca; dos delinquentes do MST; das obras irregulares embargadas pelo Tribunal de Contas; da mordaça e censura à imprensa; dos cartões corporativos e gastos sem controle; do vergonhoso baixo nível de ensino escolar; da nomeação de “cumpanheros” incompetentes; da turma do quanto pior, melhor.
    Eu não sou um doutrinador. Basta ver os artigos que escrevo no blog desde o início, para depreender que estou apenas do lado daquilo que considero certo e correto. O que não dá para falar da sua turma.

    ResponderExcluir
  3. Quanto ao comentário do anonimo, quero dizer que não tem como comparar a quantidade de empregos do tenpo de FHC e agora. Naquela epoca havia uma crise mundial, o lula teve sorte e embarcou numa economia crescente - é só ver os números. o lula não faria nada se o FHC não tivesse acabado com a inflação que corroia o país. só quem viveu aqueles tempos sabe o que a gente passou

    ResponderExcluir