8.1.10

Atiradores psicopatas

Para nós, leigos, é praticamente impossível descobrir as razões que levam uma pessoa aparentemente normal, que convive entre colegas de escola, de faculdade, ou no trabalho, subitamente, sem sinais prévios, a sair disparando uma arma a torto e a direito, assassinando quem estiver ao seu redor.
Há dois dias, em Saint Louis, USA, um homem atirou e matou três colegas de trabalho e feriu cinco.
Quartel Fort Hood, Texas, USA, 05.11.09: treze mortos e trinta feridos.
Ansbach, Alemanha, 16.09.09: nove feridos.
Winneken, Alemanha, 11.03.09: quinze mortos.
Dendermonde, Bélgica, 23.09.08: três mortos.
Kauhajoki, Finlândia, 23.09.08: nove mortos.
Illinois, USA, 14.02.08: cinco mortos e dezoito feridos.
Helsinque, Suécia, 07.11.07: oito mortos.
Virgínia, USA, 16.08.07: 32 mortos e quinze feridos.
Na maioria dos casos os atiradores acabaram se suicidando.
Pelas estatísticas, esses eventos ocorrem no mundo todo. Houve um caso célebre no Brasil, quando um jovem subiu à frente da tela de um cinema em São Paulo e atirou nos espectadores, matando três e ferindo quatro.
Deve ocorrer uma disfunção muito séria no cérebro de um psicopata destes, que perde a noção da realidade, dos sentimentos e da sua humanidade.
Onde será o próximo morticínio?

Um comentário:

  1. Os psicopatas nem sempre,ealgo de sentimento de frustacao e sentimento de inferioridadade,nao justifica explica,o do Texas era comprovadamente terorista

    ResponderExcluir