31.1.08

Otimismo ou pessimismo?

1 - O tal filho do Lobão, o Lobinho, tomou posse como senador ontem (30/01), apesar de estar todo enrolado em processos de desvio de verbas, falsificação de documentos, uso de “laranja” e lesa fisco, entre outras paradas. Para a posse, estiveram presentes apenas dois senadores. O Lobinho prometeu apresentar sua defesa quando tomasse posse, mas...
Comentário otimista: o Romeu Tuma vai analisar o processo e o Lobinho será cassado.
Comentário pessimista: não vai acontecer nada para o Lobinho, pois há também dezenas de senadores envolvidos com falcatruas e eles se protegem.

2 – O governo socialista do Lula vai ajudar os invasores de terras: quem provar que trabalhou mais de cinco anos na lavoura, mesmo em terras invadidas, terá direito a aposentadoria. Será que ouvi mesmo essa notícia no Brasil? Não seria na Venezuela, Bolívia, Cuba, Haiti?
Comentário otimista: esse projeto não vai passar pelo Senado
Comentário pessimista: palmas para os delinqüentes invasores de terras, que recebem prêmios pela sua ilegalidade.

3 – Todas as estatísticas que foram divulgadas ultimamente sobre índices de qualidade de vida, de escolarização, de analfabetismo, de saneamento, de mortalidade infantil, etc., apontam Alagoas e Maranhão como os piores estados em desempenho. Curiosamente, os dois estados são capitanias hereditárias dos Renan, dos Collor, dos Sarney, dos Cafeteira, dos Lobão, que acreditam estar acima do bem e do mal e fazem pose no Congresso.
Comentário otimista: estes clãs não durarão muito tempo, serão substituídos em breve por políticos que querem o bem dos seus estados.
Comentário pessimista: qual o quê, estes clãs são irremovíveis e permanecerão por décadas fazendo política apenas em interesse próprio.

Caramba!


16.1.08

2008 mal engatinha e...

Caro leitor:

O site “bahr-baridades” volta lentamente à ativa, meio preguiçosamente, ainda em ritmo de festas e férias, que tantos outros estenderão até o Carnaval.
E não começa muito animado, assim como ocorre com a maioria dos brasileiros.
Começamos o ano com vários sustos:
- alguns economistas andam profetizando que a inflação vai crescer;
- o governo (leia-se ministro Mantega) traiu o acordo feito com a oposição e tenta inventar uma nova cobrança da CPMF. Imagino que o ministro errou de atividade: no lugar de ministro, deveria ser chacareiro, já que anda falando abobrinhas o tempo todo;
- Enquanto estuda a nova medida, o governo alterou as alíquotas do IOF e da CSSL e aumentou os impostos para as empresas S/A (de capital aberto).
Essas notícias têm um propósito básico: o governo quer extorquir mais e mais dinheiro da classe média e das empresas, alegadamente para cobrir os gastos com a saúde, já que foi vetada a CPMF. Mas como todo mundo sabe, a CPMF não se destinava mais à saúde, como foi inicialmente idealizada pelo seu criador, o Dr. Jatene, ainda no governo FHC, pois está sendo usada para sustentar cada vez mais partidários do PT em cargos comissionados.
Para contar com sustentação política, o governo aumentou desproporcionalmente o número de ministérios e criou milhares de novos cargos. Como o governo precisa quitar suas dívidas (leia-se cargos) com os partidos que o apóiam, a retirada da CPMF também reduziu as verbas destinadas às emendas dos parlamentares, que por sua vez estão bravos, já que as necessitam para aplicá-las na conquista e manutenção de eleitores em seus currais eleitorais.
Em seguida surge a história da nomeação (ou não) do Edson Lobão para o Ministério das Minas e Energia. A dúvida esbarra no fato de, se ele for nomeado, assumir seu suplente no Senado, que é o próprio filho. Esse está enrascado em várias irregularidades às quais o pai, em entrevista, classifica como “coisa de uns 10 anos atrás, não contam mais”. Se o Lobinho cometeu irregularidades há 10 anos, nada o impede de repetir a dose.
Para terminar, o governo do PT precisa manter o seu “status quo” político, ampliando as benesses para a população menos favorecida, amarrando seus eleitores através de incontáveis bolsas-esmola, bolsa-isso, bolsa aquilo.
O que fortalece cada vez mais o PT para as futuras eleições.
Os políticos não dizem que é dando que se recebe? Pobre Brasil.
E como sempre, as despesas vão cair nas nossas contas.