13.11.07

Tristes escolas do Maranhão e Alagoas



O Jornal Nacional mostrou ontem um pouco das mazelas que ocorrem no Brasil, única e exclusivamente por culpa dos governantes.
Trata-se, ainda e sempre, da precariedade de algumas escolas, cujas professoras e seus alunos estudam em simples choupanas de pau-a-pique, cobertas com palha ou folhagens, todas em chão de terra batida, sem móveis – ou móveis precários -, sujeitas a suspensão das aulas em dias de chuva.
O único destaque positivo fica para as abnegadas professoras e para as crianças, as quais, apesar de tudo, continuam freqüentando as “escolas” e mostram o real desejo de aprender.
E, como não poderia deixar de ser, duas das ocorrências mostradas foram nas terras do falastrão Sarney o qual, juntamente com seu clã, é o “Destruidor do Futuro” do Maranhão, e nas Alagoas, estado do “honesto” Ex-Presidente do Senado Renan, cassado e do Ex-presidente da República, também cassado, atual senador Collor.
É inacreditável que no Século XXI, num país cujo presidente fanfarrão apregoa que tudo caminha às mil maravilhas, que acaba de ser chamado de “magnata do petróleo” e que distribui indiscriminadamente bolsas-família, bolsas-estudo, bolsas-alimentação, bolsas-pobreza, onde há superávit na balança comercial, dominio das tecnologias do etanol, da energia atômica, da engenharia civil, da agroindústria e que possui uma bolsa de valores ao nível das mais fortes do mundo... é inacreditável que os governantes permitam que escolas, hospitais, estradas e saneamento continuem exatamente como eram no Século XVI, quando da chegada dos portugueses.
Está na hora de os brasileiros enxergarem a verdade, separando politiqueiros, ladrões e aproveitadores, daqueles que são políticos do bem, realmente dispostos a trabalhar pela comunidade e preocupados com o bem estar do povo.

Foto de caráter ilustrativo de Mary Alegretti, extraída do “blogdaautoraamazonia”, de Glória Perez

Nenhum comentário:

Postar um comentário