5.6.07

Danças do Passado

Os sons chegam de longe. Ouço um foxtrote, tocado por alguma orquestra norte-americana. Despertando lembranças, formando imagens.
Lembranças de Zora, ruivinha, uma boneca, nome europeu, dizia que era filha de italianos, eu duvidava, estava mais para húngara, romena, polonesa. Balneário Hotel, Santos, fim da década de 50, lá na esquina da praia, um ambiente acolhedor, aos sábados tocavam música ao vivo. Tomamos drinques. Nosso primeiro encontro. Dançamos a noite inteira, apertadinhos, beijinhos, roçar da boca na orelha, tudo muito sutil, o tesão crescendo. Madrugada, levei-a para casa, fui embora pisando forte, animado, aceso, sonhando com Zora na pista de danças, com Zora na cama. Nunca mais a encontrei, recebo um dia um cartão postal da Itália, curto, seco: “Adeus. Saudades. Amor. Zora”. Os pais não queriam vê-la namorando, mandaram-na para longe, foi morar com parentes.
Avenida, famoso táxi-danças de São Paulo. Danço com Mara, morena, linda, suave, terna. Dominamos o salão. A cada sábado a mesma ........

Se você gostou deste texto, o conto completo está no livro “Encontro na barca e outras histórias de bahr”, à venda em Londrina na Livrarias Porto (Shopping Catuai) ou pelos sites

www.livrariascuritiba.com.br
www.vencer.com.br link “Livraria”

Nenhum comentário:

Postar um comentário