2.2.07

Cuidado: o homem tá de volta!

"São 14 anos depois de um
sofrimento brutal a que fui
submetido, a humilhação que sofri.”


Estas foram as infelizes palavras do Ex-presidente Collor na sua posse no Senado.

Ele se esqueceu de falar do sofrimento de milhões e milhões de brasileiros durante seu curto e desastrado reinado. Mancomunado com sua ministra da Fazenda, a tal Zélia (que logo sumiu do mapa), o Collor tomou posse de todo nosso suado dinheirinho, que simplesmente evaporou.

Anos depois, a ministra alegou que “o seqüestro do nosso dinheiro havia sido uma experiência mal-sucedida”. Foi naquela época que nos sentimos ratos de laboratório. Ratos pobres. Anos e anos de trabalho e esforço para que pudéssemos ter uma velhice sossegada e digna, foram jogados no lixo.

Se o Collor se sentiu humilhado, o que dizer das dezenas de pais de família que se suicidaram desesperados com suas perdas e temerosos pelo futuro dos seus filhos?

Se o Collor se sentiu humilhado, o que dizer dos empresários que faziam fila diariamente nos bancos, desesperados, na tentativa de recuperar seu dinheiro para pagar os funcionários?

Se o Collor se sentiu humilhado, o que dizer dos brasileiros que assistiram estáticos (e já sem dinheiro) os gastos mirabolantes na construção da espalhafatosa “Casa da Dinda”, de sua propriedade?

Se o Collor se sentiu humilhado, o que dizer da sua primeira-dama, nascida em Canapi, descendente da família Malta, cidade-símbolo do desvario do poder, onde as desavenças eram resolvidas a tiros e onde foi cunhada a frase “quem não é Malta, morre”?

Humilhados, Ex-presidente Collor, nos sentimos nós, brasileiros, que fomos ludibriados, pisoteados e enganados na sua curta e infeliz passagem pela presidência da República.

Pena que em Alagoas não tenha surgido uma nova geração de jovens e heróicos caras-pintadas para evitar sua volta ao cenário político.

O resto do Brasil não precisa e não quer Collor de volta!

Cena de uma das passeatas
que se repetiram em todo o país
pedindo o impeachment do Presidente Collor

Nenhum comentário:

Postar um comentário