29.10.06

O blog Bahr-baridades

Sempre admirei pessoas inteligentes.
Sou fã das histórias cômico-surrealistas do Woody Allen, principalmente aquelas que ele coloca em livros (você já leu “Cuca Fundida”?). O que não significa que eu não goste dos seus filmes.
No Brasil, nosso Woody Allen foi o Stanislaw Ponte Preta (Sérgio Porto), autor do “Festival de Besteira que Assola o País - FEBEAPÁ”. Ele escrevia uma coluna bastante satírica, que era publicada em vários jornais do Brasil.
Aliás, nosso país sempre foi muito fértil em besteirol, asnices e idiotices, principalmente originados de políticos, dirigentes de clubes de futebol e de certa “casta” de apresentadoras de tevê.
Arapuã (Sérgio de Andrade), com quem me orgulho de ter cursado a Escola de Propaganda de São Paulo nos idos de.... (melhor nem falar o ano) escrevia a coluna “Ora Bolas”, e pegava no pé de muitas figuras públicas. Sua vítima predileta era o à época presidente da Federação Paulista de Futebol, Mendonça Falcão.
Outro autor que por vezes usa o estilo nonsense é o inteligentíssimo Luis Fernando Veríssimo. Ninguém sai deprimido depois de ler os seus contos.
Em comum, os textos destes autores são divertidos, otimistas, alegres e, principalmente, não usam de grosseria ou baixo nível – a maneira rés-do-chão mais comum do brasileiro fazer piadas.
É mais ou menos com esse espírito que me atrevi a colocar na rede este blog “Bahr-baridades”, que está aberto a todos, para falarmos de coisas sérias, coisas nem tão sérias e até de besteirol, que serão muito bem-vindos.
A única exigência: que sejam textos no mínimo inteligentes, sem vulgaridades e, principalmente, que possam transmitir algo de útil ou de divertido aos leitores.
Julio Ernesto Bahr

Nenhum comentário:

Postar um comentário